Auditores fiscais criticam nomeação de Haddad para a Receita Federal

 Robinson Barreirinhas não é servidor de carreira da Receita, o que gerou críticas da categoria


Robinson Barreirinhas, novo secretário da Receita Federal – Foto: Foto: HELOISA BALLARINI / 

O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco) afirmou ver com preocupação a escolha do advogado e procurador da cidade de São Paulo Robinson Barreirinhas para comandar a Receita Federal no governo Luiz Inácio Lula da Silva. O nome foi anunciado hoje pelo futuro ministro da Fazenda, Fernando Haddad. 

O Sindifisco destaca o fato de Barreirinhas não ter uma carreira de auditor fiscal da Receita e de possivelmente precisar de um tempo para ter conhecimento da estrutura 

“Dada a estrutura singular do órgão na administração pública brasileira, a condição de secretário demanda conhecimentos técnicos, normativos e institucionais muito específicos que se adquirem com anos de exercício profissional no cargo de auditor fiscal”, afirma. 

 “Um secretário sem familiaridade com as estruturas internas corre o risco de manter intactas as formas de gestão atuais, que tantos problemas já produziram, dentre os quais, um profundo sentimento de desmotivação nos seus quadros funcionais. Diante do desmonte do órgão e da necessidade de combater a sonegação e aumentar a arrecadação tributária, o Brasil não dispõe desse tempo de adaptação!”, destaca o sindicato. 

A nota também menciona o fato de o governo eleito não ter aproveitado as indicaçõesda lista tríplice e de outros auditores fiscais, mas diz que atuará para “construir canais de diálogos com o futuro governo”. Por fim, o Sindifisco anuncia uma reunião futura com Barreirinhas para apresentar um diagnóstico do órgão. 

A indicação de Robinson Barreirinhas também foi criticada pela Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Unafisco), apontando que este será “o único órgão de Estado sem um nome de carreira como chefe”. 

“O sentimento dos auditores fiscais pode ser resumido em uma palavra: desprestígio! Como se o principal órgão de fiscalização e arrecadação do país não tivesse quadros capazes ou confiáveis para dirigi-lo”, afirma a entidade. 

A nota da Unafisco faz um breve elogio à fala de Fernando Haddad, nesta quinta (22), afirmando que ele enfatizou “a necessária integração entre procuradores e auditores, demonstrando que ele está ciente dos problemas entre os órgãos”. E pediu uma “oxigenação” na direção da Receita. 

“Esperamos que o novo secretário busque corrigir o recorrente equívoco de promover apenas uma dança das cadeiras no comando do órgão”.

aulas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *