COMO FOI I ACIDENTE QUE FEZ ROBERTO CARLOS PERDER PARTE DA PERNA AOS 6 ANOS 

COMO FOI I ACIDENTE QUE FEZ ROBERTO CARLOS PERDER PARTE DA PERNA AOS 6 ANOS 

COMO FOI I ACIDENTE QUE FEZ ROBERTO CARLOS PERDER PARTE DA PERNA AOS 6 ANOS

 

Roberto Carlos, 82, que comanda o próprio especial de fim de ano, nesta sexta-feira (22), na Globo, é um homem reservado quando o assunto é a vida pessoal. No entanto, ao longo dos anos, foi possível juntar peças do quebra-cabeças sobre um dos maiores tabus da vida do artista: o acidente em que perdeu parte da perna direita, aos seis anos.

 

O episódio foi tão traumático que é citado em duas músicas do cantor: “O Divã” (“Relembro bem a festa, o apito/E na multidão um grito/O sangue no linho branco”) e “Traumas” (“Falou dos anjos que eu conheci/No delírio da febre que ardia/Do meu pequeno corpo que sofria/Sem nada entender”).

 

O que aconteceu

Segundo o biógrafo Paulo Cesar de Araújo, tudo aconteceu no dia 29 de junho de 1947, na cidade natal do rei: Cachoeiro de Itapemirim, interior do Espírito Santo. Era dia de São Pedro, e Roberto Carlos — na época conhecido como Zunga — chamou a amiga Eunice Solino, a Fifinha, para ver as celebrações.

 

Roberto Carlos tinha seis anos quando foi atropelado por um trem

Imagem: Reprodução/Site oficial Roberto Carlos

O veículo passou sobre a canela direita do menino, contou Eunice Solino, em entrevista ao biógrafo para o livro “Roberto Carlos Outra Vez”. No livro, ela conta que a professora tentou gritar para o maquinista parar o trem, mas era tarde demais.

 

Me lembro da professora na frente do trem, gritando para o maquinista parar. Mais um pouco e ela também podia ter sido atropelada, porque se desesperou, coitada. Guardo até hoje essa imagem comigo. Eunice Solino

Uma multidão se aproximou para ajudar: alguns buscaram um macaco para levantar a locomotiva, outros retiraram Roberto Carlos dos trilhos, alguém chamou uma ambulância. No entanto, um jovem chamado Renato Spíndola e Castro exclamou que não havia tempo: fez um torniquete com seu paletó de linho e levou o menino ao hospital em seu carro. O “sangue no linho branco”, na letra de “O Divã”, é uma referência ao rapaz.

 

Ele foi atendido pelo médico Romildo Gonçalves. Segundo o biógrafo, o médico relembra em entrevista ao jornalista Ivan Finotti que o menino não parecia ter percebido a gravidade do acidente e afirmou: “Doutor, cuidado para não sujar muito o meu sapato porque é novo”. Ele não sentia dor, porque o trem havia destruído os nervos que davam sensibilidade à região.

 

O médico ousou com uma técnica nova para a época: ao invés de amputar a perna na altura do joelho, como era o procedimento padrão, fez a amputação um pouco abaixo. Isso permitiu que Roberto Carlos mantivesse os movimentos na articulação.

 

Ao descobrir que o filho havia perdido parte da perna, o pai de Roberto Carlos ameaçou matar o maquinista que conduzia o trem, acreditando se tratar de uma imprudência. No entanto, o caso não foi isolado: o acidente nem sequer constou na reportagem sobre a festa de São Pedro no jornal do dia seguinte, apesar de ter interrompido o desfile da escola.

 

A vida depois

Segundo o jornalista Nelson Motta, que produziu uma série sobre a vida de Roberto Carlos com o diretor Breno Silveira, o cantor só conseguiu uma prótese aos 14 anos de idade — até lá, andava de muletas e prendia a barra da calça com um alfinete.

 

 

A versão é confirmada por Rogério Franzotti, colega de escola de Roberto Carlos, em entrevista à Folha de S.Paulo. Ele diz que o menino não ficava de fora das partidas de futebol — mas costumava jogar como goleiro, onde não precisaria se locomover muito: “Ele não estava nem aí para o problema físico. Levava uma vida normal e estava sempre fazendo piadas e inventando apelidos pra todo mundo”.

 

Roberto Carlos conseguiu a prótese depois de muitas tentativas, com um médico alemão. E qual foi a primeira coisa que o rei fez quando voltou a ter duas pernas? “Ele saiu correndo, caindo, tropeçando, entrou pela areia, foi correndo pela praia. No dia seguinte, foi a um baile, dançou a noite inteira”, conta Nelson Motta.

 

REPRODUÇÃO/JNFBRASIL-JORNAL

Jornal nossa folha

Noticias de Brasília e entorno sempre atualizadas para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *