Desentendimento de última hora atrasa acordo histórico na Cop 27

 Nações ainda debatem questões relacionadas a cortes nas emissões de carbono e a objetivos gerais do acordo que visa conter mudanças climáticas.


Por Associated Press

Foto:COP27- países concordam em criar fundo para danos em países vulneráveis

Neste sábado (19), um desentendimento de última hora sobre o corte de emissões e a meta geral de mudanças climáticas atrasou um acordo potencialmente histórico entre os países que participam da Cop 27, no Egito. O entendimento criaria um fundo para compensar as nações pobres vítimas de condições climáticas extremas agravadas pela poluição de carbono dos países ricos.

“Estamos na prorrogação. Houve alguns bons espíritos hoje cedo. Acho que mais pessoas estão mais frustradas com a falta de progresso”, disse o ministro norueguês da Mudança Climática, Espen Barth Eide, à Associated Press. Ele disse que tudo se resume a diminuir as emissões de combustíveis fósseis e manter a meta de limitar o aquecimento global a 1,5 grau Celsius desde os tempos pré-industriais, conforme acordado na cúpula do clima do ano passado, em Glasgow, na Escócia. 

“Alguns de nós estão tentando dizer que na verdade temos que manter o aquecimento global abaixo de 1,5 grau e isso requer alguma ação. Temos que reduzir o uso de combustíveis fósseis, por exemplo”, disse Eide. “Mas há um lobby muito forte dos combustíveis fósseis tentando bloquear qualquer linguagem que produzamos. Então isso está bem claro.” 

Vários ministros de gabinete de todo o mundo disseram à AP no sábado que foi alcançado um acordo sobre um fundo para o que os negociadores chamam de perdas e danos. Seria uma grande vitória para as nações mais pobres que há muito pedem dinheiro, pois muitas vezes são vítimas de desastres climáticos, apesar de terem contribuído pouco para a poluição que aquece o globo.

No entanto, os outros problemas estão aparentemente atrasando qualquer ação. Uma reunião para aprovar um acordo geral foi adiada por mais de duas horas e meia, com poucos sinais de diplomatas se reunindo para um plenário formal para aprovar algo. Eide disse que não fazia ideia de quando isso aconteceria.

O acordo de perdas e danos foi um ponto alto no início do dia. 

“É assim que uma jornada nossa de 30 anos finalmente, esperamos, deu frutos hoje”, disse a ministra do Clima do Paquistão, Sherry Rehman, que muitas vezes assumiu a liderança das nações mais pobres do mundo. Um terço de seu país foi submerso neste verão por uma inundação devastadora e ela e outras autoridades usaram o lema: “O que aconteceu no Paquistão não ficará no Paquistão”. 

Os Estados Unidos, que no passado relutaram até mesmo em falar sobre a questão de perdas e danos, “estão trabalhando para assinar”, disse um funcionário próximo às negociações. 

Se um acordo for aceito, ele ainda precisa ser aprovado em uma decisão unânime no final da noite de sábado. Mas outras partes de um acordo, delineadas em um pacote de propostas apresentadas no início do dia pelos presidentes egípcios das negociações, ainda estão sendo elaboradas enquanto os negociadores se dirigem para o que esperam ser sua sessão final. 

Houve grande preocupação entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento com propostas de corte de emissões de gases de efeito estufa, conhecidas como mitigação. Autoridades disseram que a linguagem apresentada pelo Egito retrocedeu em alguns dos compromissos assumidos em Glasgow com o objetivo de manter viva a meta de limitar o aquecimento global a 1,5 grau Celsius desde os tempos pré-industriais. O mundo já aqueceu 1,1 graus Celsius desde meados do século XIX.

Parte da conversa egípcia sobre mitigação aparentemente voltou ao acordo de Paris de 2015, que ocorreu antes que os cientistas soubessem o quão crucial era o limite de 1,5 grau e mencionou fortemente uma meta mais fraca de 2 graus Celsius, e é por isso que cientistas e europeus estão com medo de voltar atrás, disse o cientista climático Maarten van Aalst, do Centro Climático da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.

O ministro do Meio Ambiente da Irlanda, Eamon Ryan, disse: “Precisamos chegar a um acordo sobre 1,5 graus. Precisamos de uma redação forte sobre mitigação e é isso que vamos promover”.

Ainda assim, a atenção se concentrou no fundo de compensação, que também foi chamado de questão de justiça. 

“Há um acordo sobre perdas e danos”, disse o ministro do Meio Ambiente das Maldivas, Aminath Shauna, à AP no início da tarde de sábado, após uma reunião com outras delegações. “Isso significa que, para países como o nosso, teremos o mosaico de soluções que defendemos.”

O ministro do Clima da Nova Zelândia, James Shaw, disse que tanto os países pobres que receberiam o dinheiro quanto os ricos que o dariam estão de acordo com o acordo proposto.

É um reflexo do que pode ser feito quando as nações mais pobres permanecem unidas, disse Alex Scott, especialista em diplomacia climática do think tank E3G.

“Acho que é ótimo ter governos se unindo para realmente resolver pelo menos o primeiro passo de … como lidar com a questão de perdas e danos”, disse Scott. Mas, como todos os financeiros climáticos, uma coisa é criar um fundo, outra coisa é fazer o dinheiro entrar e sair, ela disse. O mundo desenvolvido ainda não cumpriu sua promessa de 2009 de gastar US$ 100 bilhões por ano em outras ajudas climáticas, como o desenvolvimento de energia verde e a adaptação às mudanças do clima em países mais pobres. 

“O projeto de decisão sobre o financiamento de perdas e danos oferece esperança às pessoas vulneráveis de que receberão ajuda para se recuperar de desastres climáticos e reconstruir suas vidas”, disse Harjeet Singh, chefe de estratégia política global da Climate Action Network International.

O principal negociador chinês não quis comentar sobre um possível acordo. Os negociadores europeus disseram que estavam prontos para apoiar o acordo, mas se recusaram a dizê-lo publicamente até que todo o pacote fosse aprovado. 

A presidência egípcia, que estava sob críticas de todos os lados, propôs um novo acordo de perdas e danos no sábado à tarde e em algumas horas um acordo foi alcançado, mas o ministro do clima e meio ambiente da Noruega, Espen Barth Eide, disse que não eram tanto os egípcios, mas países trabalhando juntos.

De acordo com a versão mais recente, o fundo contaria inicialmente com contribuições de países desenvolvidos e outras fontes privadas e públicas, como instituições financeiras internacionais. Embora grandes economias emergentes, como a China, inicialmente não sejam obrigadas a contribuir, essa opção permanece na mesa e será negociada nos próximos anos. Esta é uma demanda fundamental da União Europeia e dos Estados Unidos, que argumentam que a China e outros grandes poluidores atualmente classificados como países em desenvolvimento têm poder financeiro e responsabilidade para pagar suas contas.

O fundo planejado seria amplamente voltado para as nações mais vulneráveis, embora houvesse espaço para países de renda média severamente atingidos por desastres climáticos receberem ajuda.

Uma decisão abrangente que resume os resultados das negociações sobre o clima não inclui o apelo da Índia para reduzir gradualmente o petróleo e o gás natural, além do acordo do ano passado para afastar o mundo do carvão “ininterrupto”.

Vários países ricos e em desenvolvimento pediram no sábado uma pressão de última hora para intensificar os cortes de emissões, alertando que o resultado mal se baseia no que foi acordado em Glasgow no ano passado. 

Também não exige que países em desenvolvimento, como China e Índia, apresentem novas metas antes de 2030. Especialistas dizem que elas são necessárias para atingir a meta mais ambiciosa de 1,5 grau Celsius, que evitaria alguns dos efeitos mais extremos da mudança climática. 

Ao longo da cúpula do clima, as delegações americana, chinesa, indiana e da Arábia Saudita mantiveram um perfil público discreto, enquanto as nações europeia, africana, paquistanesa e de pequenas ilhas foram mais vocais.

Muitos dos mais de 40.000 participantes deixaram a cidade, e os trabalhadores começaram a empacotar os vastos pavilhões na extensa zona de conferências. 

As reuniões climáticas da ONU evoluíram ao longo dos anos para se assemelhar a feiras comerciais, com muitos países e grupos industriais montando estandes e exibições para reuniões e painéis de discussão. 

Em muitos estandes, as cadeiras foram empilhadas ordenadamente, prontas para serem removidas, e os monitores foram retirados, deixando os cabos pendurados nas paredes. Panfletos e livretos estavam espalhados por mesas e pisos. As lanchonetes, que os organizadores egípcios disseram que permaneceriam abertas durante o fim de semana, foram esvaziadas. 

No pavilhão da juventude, ponto de encontro de jovens ativistas, uma pilha de cartões-postais escritos à mão por crianças para negociadores foi deixada sobre uma mesa. “Caros negociadores da COP27”, dizia um cartão. “Continue lutando por um bom planeta.” 

Perdas e danos

A 27ª conferência do clima da ONU começou em 6 de novembro com a possibilidade de criar um fundo de perdas e danos provocados pela mudança climática como tema dominante na agenda. 

As negociações aceleraram depois que o vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans, propôs, em uma sessão plenária na quinta-feira, abordar a criação de um “Fundo de Resposta” aos desastres climáticos, dedicado aos países mais vulneráveis, em troca basicamente de duas condições. 

A primeira era “ampliar a base de doadores”, ou seja, integrar os países que se tornaram grandes emissores de gases do efeito estufa, como a China. E a segunda condição é obter um compromisso forte e explícito a respeito da mitigação, para manter o objetivo do limite de +1,5ºC. 

As negociações na conferência do clima do Egito (COP 27) foram estendidas para este sábado (19), depois que a União Europeia denunciou o que considera um “retrocesso inaceitável” em relação ao compromisso de temperatura. 

“A grande maioria das partes indicou que considerava o texto equilibrado e que pode resultar em um consenso”, respondeu o chanceler egípcio Ameh Shukri, que preside a COP 27. A mitigação é imprescindível para manter “vivo” o objetivo de limitar o aquecimento do planeta a +1,5ºC. 

“Não estamos aqui para fazer declarações, e sim para manter o objetivo de 1,5ºC vivo”, afirmou a ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annaelena Baerbock.

Os vínculos entre um fundo de compensações, quem contribui para o mesmo e a mitigação das emissões haviam paralisado as negociações, segundo várias fontes consultadas pela AFP.

US$ 100 bilhões por ano

O delegado chinês na sessão plenária, Zhao Yingmin, se limitou a pedir que o Acordo de Paris “não seja reescrito”.

O acordo histórico de 2015 estabeleceu as bases do atual compromisso contra a mudança climática, mas recordou que responsabilidade é comum, embora diferenciada, ou seja, que os países desenvolvidos devem contribuir muito mais com base em seu histórico de emissões e uso de recursos naturais.

Entre os países em desenvolvimento há uma desconfiança considerável pelas promessas não cumpridas do passado.

Em 2009, os países desenvolvidos prometeram que desembolsariam a partir de 2020 a quantia de US$ 100 bilhões por ano para ajudar na adaptação dos países pobres às mudanças climáticas e na redução de suas emissões, ao mesmo tempo que iniciam a transição energética.

E o valor de US$ 100 bilhões, que ainda não foi completado, deve ser aumentado, a princípio, a partir de 2025.

aulas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *