EX-COMBATENTE BAIANO, QUE LUTOU NA ITÁLIA NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL, MORRE AOS 104 ANOS

EX-COMBATENTE BAIANO, QUE LUTOU NA ITÁLIA NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL, MORRE AOS 104 ANOS

EX-COMBATENTE BAIANO, QUE LUTOU NA ITÁLIA NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL, MORRE AOS 104 ANOS

O centenário morreu de causas naturais, por causa da idade avançada. Ele completaria 105 anos no dia 10 de junho.

Eurypedes Pamplona morreu aos 104 anos, em Salvador
Eurypedes Pamplona morreu aos 104 anos, em Salvador — Foto: Arquivo pessoal
Morreu aos 104 anos, no domingo (2), em Salvador, o ex-combatente baiano Eurypedes Pamplona. Ele participou da Segunda Guerra Mundial como pracinha da Força Expedicionária Brasileira que lutou na Itália, na Europa.

De acordo com informações da assessoria de imprensa do 4º Batalhão de Engenharia de Construção (BEC) de Barreiras, onde ele morava, o centenário morreu de causas naturais, por causa da idade avançada. Ele completaria 105 anos no dia 10 de junho e deixa esposa, dois filhos, cinco netos e dois bisnetos.

Eurypedes Pamplona foi homenageado diversas vezes em cerimônias pelo 4° BEC e sempre desfilava na parada cívico militar do 7 de setembro, data em que é celebrada a Independência do Brasil. A história dele foi, inclusive, publicada em um livro, intitulado “Tiro, Guerra e Mato”, do policial militar João Paulo Pinheiro Lima Primeiro.

O corpo do veterano foi levado para Barreiras e o velório ocorre nesta segunda-feira (3), no Memorial Senhor do Bonfim. O corpo dele será sepultado, na terça-feira (4), às 9h, no Cemitério São João Batista.

O corpo do veterano foi levado para Barreiras e o velório ocorre nesta segunda-feira (3), no Memorial Senhor do Bonfim. O corpo dele será sepultado, na terça-feira (4), às 9h, no Cemitério São João Batista.

História de Eurypedes Pamplona

Eurypedes Lacerda Pamplona nasceu em 10 de junho de 1919, na antiga casa nº 29, da Rua Barão de Cotegipe, em Barreiras. Ele era o quinto dos sete filhos de Manoel Pamplona, guarda-fio do telégrafo, e Arlinda Lacerda, dona de casa e administradora de um hidrômetro do observatório meteorológico da cidade.

Com 18 anos incompletos, incorporou-se ao Tiro de Guerra 128, onde se formou atirador da reserva de 2ª classe, na turma de 1937.

Em 1939, mesmo ano em que eclodiu a Segunda Guerra Mundial, o jovem mudou-se para o Rio de Janeiro, onde trabalhou em lojas de armarinhos e tecidos.

Em setembro de 1942, na pensão onde residia, Eurypedes Pamplona recebia a carta que o convocaria novamente às Forças Armadas.

Pamplona incorporou-se inicialmente ao 2º Regimento de Infantaria, o Dois de Ouro, onde passou por treinamento e foi promovido à graduação de cabo.

Lançamento do livro “Tiro, Guerra e Mito”, em Barreiras
Lançamento do livro “Tiro, Guerra e Mito”, em Barreiras — Foto: Arquivo pessoal
No dia 23 de novembro de 1944, o seu navio de transporte General Meighs zarparia da Baía da Guanabara com 4.691 militares do Quarto Escalão de Embarque, em direção à guerra.

Em meados de dezembro, sob o rigoroso inverno europeu, o expedicionário deu entrada no 7º Hospital em Livorno, mesmo local onde serviu a 2º Tenente Enfermeira Aracy Sampaio, também barreirense.

Em janeiro de 1945, participou de instruções juntamente com outros pelotões que em breve seguiriam para o front. Escalado agora como membro da 9ª Companhia do 11º Regimento de Infantaria, o pracinha foi escolhido para ser atirador da metralhadora Ponto 50.

No dia 12 de fevereiro de 1945, após longas marchas, o Cabo Pamplona teve o seu batismo de fogo em Belvedére, prestando importante contribuição na conquista do objetivo final.

Em 21 de fevereiro, apoiou em segundo escalão, a Tomada de Monte Castelo, mais renomada conquista da FEB. No mês de março, o jovem aproveitou para reverenciar os seus irmãos de farda no Cemitério de Pistóia, mortos no cumprimento do dever.

No dia 4 de maio de 1945, o cabo recebeu a informação que Adolf Hitler, líder nazista, havia tirado a própria vida. O comando das forças alemãs na Itália havia se rendido e a guerra da Força Expedicionária Brasileira acabou.

Em 17 de setembro do mesmo ano, Pamplona e os seus companheiros desembarcaram no Rio de

Jornal nossa folha

Noticias de Brasília e entorno sempre atualizadas para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *