Presidenciáveis jogam cartas finais no último debate do 1° turno; veja estratégias

 Os candidatos à Presidência da República jogam nesta quinta-feira (29/9) suas últimas cartas no debate promovido pela Rede Globo a menos de 48 horas da abertura das urnas. O evento começa às 22h30, após a novela Pantanal, e será o segundo e último embate a colocar frente a frente os líderes das pesquisas, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL).

 
Com esperança de liquidar a eleição no primeiro turno, Lula deve adotar uma postura mais agressiva do que a do debate da Band, no final de agosto, no qual foi atacado por Bolsonaro no campo da corrupção e não respondeu bem.

Já Bolsonaro tem o objetivo de garantir um segundo turno na disputa, para tentar mudar a história de uma eleição em que as “pesquisas” de intenção de voto mostraram Lula na liderança durante todo o período. Para isso, deverá aumentar ainda mais o tom contra o petista. O atual chefe do Executivo federal ainda precisará acenar ao eleitorado feminino, que tem apresentado alta rejeição à sua candidatura.

Além dos líderes nas pesquisas, foram convidados para o debate na Globo os candidatos de partidos com ao menos cinco representantes na Câmara dos Deputados: Ciro Gomes (PDT), Padre Kelmon (PTB), Felipe D’Ávila (Novo),

SimoneTebet (MDB) e Soraya Thronicke (União Brasil). Os concorrentes serão distribuídos no estúdio da Globo, no Rio de Janeiro, em ordem alfabética. Com isso, Lula e Bolsonaro não vão ficar próximos um do outro.

O debate terá quatro blocos e em todos serão os próprios candidatos que farão perguntas uns aos outros. Não haverá, portanto, perguntas do mediador, William Bonner, de jornalistas da empresa ou do público. Em dois blocos o tema será livre e nos outros dois, as perguntas terão de ser sobre temas sorteados por Bonner na hora.

Além da Globo, na TV aberta, o portal g1 e a plataforma Globoplay vão transmitir o debate, que vai acabar na madrugada da sexta-feira (30/9), às 1h40.

Quatro candidatos ao Palácio do Planalto ficarão de fora da discussão: Constituinte Eymael (DC), Léo Péricles (UP), Sofia Manzano (PCB), e Vera (PSTU).

As estratégias de cada um

Lula
Líder nas pesquisas, o petista quer se concentrar em não errar e em tentar enervar Bolsonaro. A estratégia, ao contrário do debate da Band, é responder com firmeza às criticas do adversário sobre corrupção e tentar jogar nele a imagem de corrupto, lembrando de temas como a compra de imóveis em dinheiro vivo pela família do presidente.

Quanto aos demais candidatos, como Ciro e Tebet, que também devem atacá-lo, Lula foi orientado a não responder, de modo a não agredir o eleitorado deles, de olho no voto útil já no primeiro turno ou o apoio deles num eventual segundo turno.

Bolsonaro
O debate na Globo é considerado pela campanha de Bolsonaro como última chance de trazer para a campanha um fato novo que interrompa a tendência de alta de Lula nas pesquisas e tire o presidente de uma incômoda estabilidade.

O presidente deverá, então, bater forte em Lula e aproveitar a ajuda de outro debatedor, o Padre Kelmon, para ressaltar os feitos do governo, sobretudo na área econômica. A redução no preço da gasolina, por exemplo, será relembrada pelo presidente aos eleitores.

Ciro Gomes
Em tendência de baixa nas últimas pesquisas, Ciro deverá dobrar a aposta na tática de atacar tanto Lula quanto Bolsonaro para tentar erodir o eleitorado dos líderes.

Com poucas chances de retomar um crescimento em um momento em que apoiadores históricos, como Caetano Veloso, estão migrando para Lula, Ciro deverá pregar contra o voto útil.

Simone Tebet
A emedeista foi bem no debate da Band e viu suas intenções de voto subirem de 2% ou 3% para ao menos 5% nas principais pesquisas. Patamar que tem mantido desde então e que espera ampliar. A expectativa na campanha de Tebet é chegar na frente de Ciro Gomes, um resultado que a ajudaria a ser mais competitiva em eleições futuras.

Se a tática de Simone der certo, cai a chance de a eleição ser decidida em primeiro turno.

Soraya Thronicke
Candidata que substituiu a primeira tentativa do partido, o deputado federal Luciano Bivar, Soraya não conseguiu deslanchar nas pesquisas, mas teve bons momentos nos embates com Bolsonaro tanto no debate da Band quanto no do SBT.

Eleita senadora em 2018 como apoiadora do presidente eleito, ela deverá voltar a vestir o figurino de bolsonarista arrependida e pode representar uma casca de banana para o candidato à reeleição.

Felipe D’Ávila
O candidato do Novo também não conseguiu conquistar intenções de voto na campanha, mas vai usar o debate para difundir as pautas liberais do partido e para promover aliados com chances de ser eleitos, como o mineiro Romeu Zema, que lidera as pesquisas em seu estado.

Padre Kelmon
O petebista é substituto de Roberto Jefferson, que teve o registro negado pela Justiça Eleitoral, e não tem ambições nesta eleição para além de ajudar o presidente Bolsonaro. Quando não estiver elogiando o candidato à reeleição, o religioso deverá pregar contra o aborto.

aulas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *